Dicas&Toques 145 – Demite por Falta de Faturamento…II

D&T70

Na semana passada perguntamos: “Demite por falta de faturamento ou falta faturamento porque contratou mal? Nesta semana aprofundamos a questão.

A ideia (enganosa) de que na pequena empresa todo mundo tem que fazer de tudo é a principal responsável por contratações improvisadas.

Na verdade, seja qual for o tamanho da empresa, um conjunto mínimo de descrições de cargos e tarefas é a base para um funcionamento eficaz e harmônico do negócio.

A única diferença é que na pequena empresa é saudável que cada um conheça as tarefas de outro, mas isso não significa poder viver sem uma distribuição ordenada de atribuições individuais.

No próximo D&T iniciaremos um Passo a Passo para o processo de contratação e ambientação eficaz.

Por enquanto o importante é analisar as razões e efeitos do amadorismo na seleção e contratação de colaboradores e formação de equipes.

Quando um novo funcionário entra na empresa, geralmente tem suas atribuições explicadas por alguém mais antigo ou um chefe imediato e logo é posto a trabalhar.

Se ele for novo na função, talvez alguém dispenderá um pouco de tempo em sua orientação.

Se ele já cumpria função semelhante em uma empresa anterior, aí sim estará frito!!!

O contratante tenderá a pensar que ele já sabe o que fazer e o abandonará totalmente.

É claro que o novato fará o que sabe fazer e do jeito que sabe. Então começam os problemas:

“Aqui não fazemos desse jeito.”

“Mas ninguém me disse qual era o jeito, então estou fazendo como fazia na outra empresa.”

Inicia-se aí o desgaste na relação entre o colaborador e a empresa. O empresário chama hábitos anteriores do colaborador de vícios, o empregado se ressente de não haver regras e orientações claras para a sua função.

Quando o funcionário é parente às vezes conhece a empresa e suas rotinas, o que é bom, mas a falta de descrições de cargos e atribuições pode ser mais danosa ainda, pois na sua ausência, o vínculo familiar tende a fortalecer a impressão de que pode ele fazer do jeito que achar melhor e pronto. Parentes se sentem “meio donos” da empresa. Sentimento bastante comum, mas frequentemente prejudicial por inspirar desmandos.

Ou seja, do mesmo modo que a área industrial tem parâmetros de produção claros e precisos para que se possa obter um bom produto, as áreas de administração, vendas e outras precisam também ter um desenho formal de funcionamento. Sem isso, o desempenho ficará sempre aquém do desejável e, pior ainda, em tempos de crise não se saberá o que ajustar para melhorar resultados de vendas.

É isso.

 

Prepare seu final de semana.

 

 

Posted in:
Sobre o autor

André Ganzelevitch

avatar

André Ganzelevitch é consultor Empresarial e Profissional de Treinamento desde 1981.É autor de mais de 60 títulos de Programas de Treinamento, Workshops e Palestras para diversas entidades de apoio empresarial, para aplicação presencial e à distância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *