Dicas&Toques 47 – Bom vendedor vende qualquer coisa? Parte 6 – O Vendedor de estoques

São milhões. Alguns chamados de balconistas, outros de “tirador de pedidos”, título injusto atribuído a quem vende, por exemplo, bebidas ao mercado varejista, especialmente se for de fabricante famoso. Este contingente imenso e variado pode ser dividido em outras subcategorias, mas isso fica pra outros textos.

São os profissionais cuja interação com os clientes é geralmente breve, mesmo que regular em alguns casos, vendendo produtos que não exigem qualquer tipo de especialização ou formação técnica. Costumam contar com a própria competência e tino comercial como fonte de resultados porque, exceto no caso das grandes empresas e algumas médias, em geral são colocados nos seus postos com pouquíssimo treinamento.

Acompanhei alguns desses profissionais a campo, vendendo bebidas. E o que pensei que seria fácil, na verdade revelou-se um desafio. Primeiro porque fazem mais de 50 visitas em um único dia. Bares, padarias, hotéis, cantinas escolares, restaurantes, tudo. Em cada roteiro o profissional anda um pouco de carro, para, faz umas 4, 5 visitas, anda mais um pouco, para e faz outro tanto. Começa às 7 da manhã e vai até 16h, 17h.

Para quem não estiver acostumado a uma andança tão intensa, garanto que no final do dia a impressão é que o calçado diminuiu uns dois ou três números, de tanto que aperta.

Outra batalha a vencer, é que cada comerciante tem seu espaço restrito para os produtos, e muitas marcas de cada um para escolher. Portanto, mesmo no caso de marcas famosas, conquistar e manter espaço nas prateleiras ou refrigeradores do cliente é uma luta constante. Conta muito nessa venda a simpatia e objetividade do vendedor.

Assim como o vendedor de uma loja de roupas, o profissional de campo precisa ser agradável sem ser invasivo, oferecer o que faça sentido para o cliente, não ultrapassar o limite do profissionalismo, mesmo que tenha contato regular com ele e, acima de tudo, não esticar conversa. Em campo, o tempo é um enorme fator de produtividade. Num estabelecimento comercial, também, embora neste caso, o tempo seja ditado pelo cliente que estiver sendo atendido.

No mercado de autopeças e no varejo de materiais de construção é comum eles começarem a trabalhar nas áreas de estoques e, com o tempo, virem para a frente de loja trabalhar como vendedores, aí já com um ótimo conhecimento sobre tudo o que a empresa vende, o que não significa que saibam atender clientes. Mas na maioria das empresas do comércio o importante é conhecer o que vende, e não para quem vende.

 

CARACTERÍSTICAS DO VENDEDOR DE ESTOQUES 

  • Agilidade e bom humor para atender bem às vezes mais de um cliente por vez.
  • Relaciona-se com as pessoas de modo cordial, eficaz e breve.
  • Conhecer muito bem o portfolio de produtos da empresa.
  • Ter disciplina e atenção a horários e roteiros, quando na venda em campo e pontualidade para quem trabalha em lojas.
  • Em ambos os casos, estar preparado para trabalhar em pé o dia todo.

Um aspecto interessante neste tipo de venda é que em alguns ramos, funciona muito bem como preparação para profissionais da Venda Consultiva ou da Venda de RP .

 

Posted in:
Sobre o autor

André Ganzelevitch

avatar

André Ganzelevitch é consultor Empresarial e Profissional de Treinamento desde 1981.É autor de mais de 60 títulos de Programas de Treinamento, Workshops e Palestras para diversas entidades de apoio empresarial, para aplicação presencial e à distância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *